18 de dezembro de 2010

Dourada à Francesa

Esta foi tirada do Livro de Pantagruel. Segundo o livro, uma boa dourada deverá ter 3Kg ou mais. Como a minha tinha uns tímidos 0,5 Kg reduzi a receita em medidas equivalentes. Deixo-vos a receita original:

Dourada à Francesa

  • 1 dourada grande
  • 100 gr toucinho fresco (usei bacon)
  • 1 cebola média
  • 100 gr manteiga
  • 1 raminho salsa
  • 1/2 c. chá tomiho seco (ou 1 raminho se for fresco)
  • 1 dl vinho branco
  • sal, pimenta e sumo de limão q.b.
Coloca-se o peixe num tabuleiro untado com óleo. Passam-se a cebola, a salsa e o toucinho pela máquina (usei a trituradora), temperam-se com sal e pimenta, ligam-se com a manteiga e barra-se o peixe por fora com essa papa, reservando uma pequena porção que se lhe mete na barriga juntamente com o tomilho. Deita-se o vinho por cima e assa-se em forno moderado (pus a 170º), regando-o, de vez em quando, com o molho que se for fazendo. Ao tirar espreme-se em cima o sumo de metade de um limão e serve-se quente.

Acompanhei com puré de batata (do congelado) e uma salada de canónigos (dos que se compram já lavados e arranjados).

Bom apetite! :)

10 de dezembro de 2010

Bolo de Chocolate e Banana

Vi no blog Lucullian Delights esta receita de "Chocolate Banana Bread" e resolvi aproveitar aquela banana muito madura que já se aproximava de um triste fim.
As natas azedas (sour cream) são um ingrediente que nunca tinha usado e que por acaso encontrei à venda no supermercado Brio. Pela consistência sólida pareceu-me que poderiam ser facilmente substituídas por natas muito bem batidas. Quando já estava a fazer a receita reparei que não tinha farinha senão daquela que já vem preparada para as máquinas de pão por isso usei mesmo dessa e não acrescentei fermento. Também só depois de fazer o bolo reparei que usei medidas de colheres de sopa em vez de colheres de chá (erro de tradução do inglês 'tsp'...). Talvez por isso o sabor da banana não se sentisse muito, mascarado pelo sabor da canela. No geral é um bolo bastante agradável.
Sugiro que usem esta receita para aproveitamento de bananas muito maduras e que não se restrinjam a utilizar apenas uma banana. Deixar o interior do bolo húmido também dá um toque delicioso.

Bolo de Chocolate e Banana

  • 4 ovos
  • 300 ml açúcar branco
  • 150 gr manteiga
  • 1 banana muito madura
  • 100 gr natas azedas (sour cream)
  • 70 gr chocolate culinária (deviam ter sido 100 gr)
  • 4 c. sopa cacau em pó (deviam ter sido 4 c. chá)
  • 1 c. sopa canela em pó (devia ter sido 1 c. chá)
  • 400 ml farinha (usei da preparada para pão branco da marca Continente que já traz fermento)
  • 100 ml farinha integral
  • 50 gr avelãs
  • açúcar para polvilhar
  • manteiga
Derreter a manteiga com o chocolate.
Numa tigela bater bem os ovos com o açúcar. Adicionar a banana e as natas e continuar a bater até ficar suave. Juntar a manteiga e o chocolate e misturar bem.
Numa tigela à parte, misturar as farinhas, o cacau em pó e a canela e ir peneirando aos poucos para a outra massa. Misturar até que fique homogéneo.
Deitar a massa para uma forma de bolo inglês forrada com papel vegetal. Deitar por cima as avelãs cortadas em pedaços, polvilhar com açúcar e terminar com pequenos pedacinhos de manteiga.
Levar ao forno pré-aquecido a 175º durante 30 min mas verificar a consistência ao final de 20 min para que não fique seco.

Bom apetite! :)

5 de dezembro de 2010

A minha Avó e o Livro de Pantagruel

O meus livro favorito de culinária é o "Livro de Pantagruel". Apenas há alguns anos conheci este famoso livro pois lá em casa a minha avó sempre fez as receitas de memória. E como eu gostava de a ver cozinhar! E de fazer com ela as empadas e os rissóis, as filhoses no Natal e os biscoitos de manteiga que fazíamos em bolinhas muito pequeninas pois era assim que eu gostava :) A minha avó sempre teve uma paciência de santa...
Há uns tempos começei a tentar recolher as receitas dela:
- "Ó Vó, dita-me lá a receita da sopa de ovos que é para eu guardar."
- "Então filha, pões cebola e alho a alourar num tachinho..."
- "E que quantidades, vó?"
- "Assim uma mancheia!"
Lol! :)
E é daqui que vem o meu gosto pelo Pantagruel. Porque, sempre que abro aquele livro e leio as receitas onde as medidas, os tempos e as temperaturas por vezes são "a olho", me lembro da minha avó a explicar-me como faz o seu delicioso bolo de noz, as empadas ou a marmelada.
E foi também com ela que aprendi que, mesmo a partir da mesma receita, a mão e o jeito do cozinheiro é que fazem a diferença. E eu nunca hei-de conseguir fazer empadas como as dela.

3 de dezembro de 2010

Polvo à Lagareiro

Apesar de gostar muito, é raro fazer pratos com polvo. Infelizmente sempre que faço fica mais rijo do que gostaria e desta vez não foi excepção... Apesar disso achei a receita muito saborosa, por isso aqui fica.
Usei polvo congelado da pescanova que achei muito saboroso e tinha mesmo aquele cheirinho a mar. Não tirei a pele ao polvo pois acho que dá mais gosto à receita. Enganei-me e cortei o polvo em pedaços pequenos (como se fosse para arroz de polvo) em vez de o deixar inteiro mas para a próxima tento fazer como deve ser ;) Se calhar foi por isso que ficou rijo.
Já pus aqui um post sobre a melhor forma de cozinhar polvo mas desta vez experimentei esta receita na Bimby.

Polvo à Lagareiro
 (3/4 pax)

  • 800 gr polvo
  • 1 cebola pequena
  • 1 folha louro (retirar o veio)
  • batatas para assar (usei 4 grandes cortadas em rodelas)
  • 4 dentes alho
  • coentros picados
  • azeite
  • sal
Pôr o forno a aquecer a 180º.
Colocar no copo da bimby água em quantidade apenas suficiente para cobrir as lâminas. Junta-se a cebola cortada em quartos, o louro e sal. Colocar o polvo dentro do cesto (atenção se o polvo for muito grande, cozer em 2 vezes). Colocar os brócolos no tabuleiro da Varoma. Programar 30 min., temp. Varoma, vel. 1 1/2.
Cortar as batatas às rodelas, temperar com sal e levar ao forno a 180º durante aproximadamente 30 minutos.
Após este tempo juntar o polvo cozido e levar ao forno durante 10 minutos.
Neste tempo, colocar no copo os dentes de alho, azeite a gosto e programar 3 min., temp. Varoma, vel. 1. Regar o polvo com este azeite e com os coentros picados.

Nota - Guardei a água de cozer o polvo que depois usei num arroz e ficou bem bom ;)

Boas azeitadas! ;)

27 de novembro de 2010

Jardineira de Choquinhos

Esta é uma daquelas receitas simples mas muito saborosas. E se for feita na Bimby ainda melhor porque fica a máquina a trabalhar enquanto vamos tratando de outras coisas ;)
As quantidades foram a olho por isso sugiro que façam a gosto.

Jardineira de Choquinhos


  • 600 g choquinhos
  • 1 cebola pequena
  • 4 dentes de alho
  • 4 c. sopa azeite
  • 1 copo vinho branco
  • 1 fatia grossa de bacon (~0,5 cm)
  • 5 c. sopa polpa tomate
  • 1 folha de louro
  • 100 gr ervilhas
  • 2 cenouras grandes
  • 3 batatas
  • 1 c. chá flor de sal
Colocar no copo a cebola, o alho e o azeite e picar 6 seg., vel. 5.
Juntar a polpa de tomate, o louro, o vinho e os choquinhos e cozinhar 20 min., temp. 100º, vel. colher inversa.
Adicionar as ervilhas e programar mais 10 min.
Juntar as cenouras e as batatas cortadas em cubinhos e programar mais 15 min. Juntar o sal apenas nos 5 min finais.

Bom apetite :)

21 de novembro de 2010

Marmelada e Geleia

Em tempo de marmelos há que fazer marmelada! Nem que seja porque a cozinha fica logo a cheirar a Natal.
Nunca tinha feito marmelada sozinha, mas recordo com saudade os dias passados na cozinha da minha avó a dar voltas ao passe-vite. A parte boa era que assim que me queixava que me doía o braço ficava dispensada do trabalho duro e ficava a observar :)
Já não me lembrava da receita da minha avó mas depois de lhe ter perguntado percebi que não tem nada a ver com aquela que eu fiz. Era mais ou menos assim:

Marmelada da Vovó
Cozinham-se os marmelos inteiros até que se espetem com um garfo.
Descascam-se os marmelos e reserva-se os caroços e a água da cozedura para fazer a geleia.
Desfaz-se a polpa do marmelo no passe-vite.
Liquefaz-se açúcar (a proporção é a mesma quantidade de açúcar e de polpa de marmelo) num pouco de água.
Juntar o açúcar ao marmelo e misturar mas sem já mexer muito.
Colocar em tacinhas. Só depois de arrefecido e solidificado se tapa com papel vegetal.
A geleia faz-se depois fervendo mais um pouco a água da cozedura dos marmelos, coando-a e juntando-lhe açúcar. Guarda-se em frascos.

A receita que eu fiz é bastante diferente mas dá muito menos trabalho e ficou boa também. Segui esta receita para a Bimby.

Marmelada

  • 4 marmelos
  • açúcar amarelo (metade do peso dos marmelos depois de descascados)
Descascar os marmelos e retirar os caroços. Reservar os caroços e as cascas.
Colocar no copo o marmelo e o açúcar. Triturar 60 seg, vel. 5, 7, 9.
Cozinhar durante 30 min., temp.100º, vel.3.
Colocar em tigelas e cobrir com papel vegetal.

Geleia
  • cascas de marmelo
  • caroços de marmelo
  • açúcar amarelo
Colocar as cascas e os caroços no copo da Bimby. Adicionar água quase a cobrir as cascas.
Cozinhar 15 min., temp. 100º, vel. 1.
Coar com um passador fino e pesar o líquido. Adicionar metade desse peso de açúcar.
Programar 30 min., temp. Varoma, vel.1.
Guardar em frascos, colocando uma folha de papel vegetal entre o frasco e a tampa.

Boas marmeladas ;)

13 de novembro de 2010

Mercearia Criativa


Gosto muito de mercearias. E esta faz lembrar as de antigamente pois, para além dos produtos gourmet, tem um ar tradicional e preocupa-se em ter produtos locais e produtos da época. E têm um atendimento cuidado como já é raro encontar.
Fui lá lanchar a um domingo e, apesar da variedade de bolos e doçaria, o que nos apetecia era mesmo um pãozinho. A sra arranjou logo umas fatias de pão rústico com manteiga e compota. Depois percebi que este lanche não fazia parte do menu e que ela utilizou produtos que tinham à venda na mercearia para fazer o nosso lanche:


Um delicioso lanche de chá de rosas, pão rústico, manteiga de ovelha e doce de maracujá. Deu para 3 pessoas e ficou em menos de 5€.
E foi assim que passei um fim de tarde muito agradável.

Mercearia Criativa
Av.Guerra Junqueiro, 4 A
Lisboa
21 848 51 98
http://www.merceariacriativa.com/

6 de novembro de 2010

Dicas Para Descascar Romã

Adoro romã. Mas como sou uma comichosa nunca gostei de as descascar e confesso que a forma que mais gosto de as comer é mesmo espremidas em sumo. De qualquer forma sempre achei o processo de descascar romãs moroso e trabalhoso em que muitos baguinhos ficavam desfeito o que deixava as mãos manchadas e ainda um monte daquelas cascas brancas da romã misturadas.
Por isso e porque estamos em época de romãs não podia deixar de partilhar dois truques que descobri e que no outro dia pus em prática e confirmei que são extremamente úteis (nunca mais descasco uma romã à mão).

A melhor forma de descascar uma romã é parti-la ao meio, segurar uma metade com uma mão (por baixo) e com a outra dar umas palmadas à romã com uma colher de pau:


Este truque é excelente pois os baguinhos soltam-se da casca muito facilmente e ficam inteirinhos.
Depois é só encher a tigela com água e retirar as cascas brancas que eventualmente ainda tenham ficado pois ficam todos a boiar à superfície:


Et voilá, ficamos com uma taça cheia de baguinhos de romã deliciosos e prontos a comer:


Bom apetite! :)

30 de outubro de 2010

Arroz de Lulas

Esta é mais uma daquelas receitas boas, rápidas e ideais para fazer durante a semana de trabalho. Baseei-me na receita deste fórum e adaptei com o que cá tinha.
Fiz com arroz vaporizado mas acho que ficaria melhor com arroz Carolino pois absorve melhor os sabores do molho. E o piri-piri, já se sabe, não podia faltar ;)

Arroz de Lulas

  • 400 gr lulas congeladas
  • 1 cenoura pequena
  • 2 tomates bem maduros
  • 2 c. sopa polpa tomate 
  • 75 gr vinho branco
  • 50 gr azeite
  • 1/2 cebola grande
  • 3 dentes alho
  • 1 folha louro (sem o veio)
  • 1 piri-piri
  • 2 c. sopa molho ostra
  • 250 gr arroz vaporizado (marca Pato Real)
  • 400 gr água
  • flor de sal e pimenta preta q.b.
  • 1 c. sopa coentros picados congelados
Colocar a cebola, o alho, o tomate, a polpa e o azeite no copo da Bimby e picar 6 seg., vel 5. Adicionar a cenoura às rodelas e o louro e refogar 7 min, temp. 100º, vel. colher inversa.
Juntar as lulas cortadas em rodelas, o piri-piri, o vinho branco, temperar com sal e pimenta e deixar cozinhar 30 min, temp. 100º, vel. colher inversa.
Acrescentar a água, o arroz e o molho de ostra e cozinhar mais 15 min, temp. 100º, vel. colher inversa.
Um pouco antes de acabar o tempo juntar os coentros e servir imediatamente para ficar malandrinho.

Bom apetite! :)

    22 de outubro de 2010

    Crepes

    Esta é a minha receita favorita de fim-de-semana e sabe mesmo bem naqueles dias de preguiça. E deixar toda a gente a salivar à espera do próximo crepe tem sempre a sua piada ;)
    Para quem não gosta de estar agarrado ao fogão enquanto os outro se lambuzam sugiro que vão fazendo os crepes em 2 frigideiras e os vão colocando num prato uns por cima dos outros. Desta forma mantêm-se quentinhos e podem desfrutar dos crepes com o resto da malta.
    Para pôr nos crepes sugiro açúcar, canela, mel, compotas de qualquer tipo ou também o meu favorito, nutella :) E como esta receita não é muito doce também ficam bem com qualquer acompanhamento salgado como queijo, fiambre, cogumelos, etc. Assim até dão uma bela refeição em família em que cada um pode pôr o que mais gostar. Aliás, já comi várias vezes com amigos noruegueses crepes com açúcar (ou compota) e bacon frito. Sim, bacon frito! E podem tirar esse olhar de nojo que ficaram bem bons ;) Um dia faço e ponho aqui uma foto.

    Crepes


    • 3 ovos
    • 100 gr farinha
    • 1,5 c sopa açúcar
    • 125 ml leite
    • 50 gr manteiga
    Bater bem todos os ingredientes excepto a manteiga e deixar repousar 30 min. Adicionar a manteiga derretida e fazer os crepes um a um numa frigideira que não agarre.

    Dicas:
    - Os crepes também ficam bons sem esperar os 30 min.
    - Se os crepes estiverem a agarrar untar a frigideira com um pouco de manteiga ou óleo antes de cada crepe.
    - As frigideiras com borda baixa são melhores para conseguir virar os crepes "à cromo"

    16 de outubro de 2010

    Hummus de Sardinha e Grão

    Esta foi mais uma receita que procurei para levar para uma festa. Tirei-a do blog "Lucullian Delights", que é um dos poucos que leio assiduamente pois tem sempre receitas apetitosas e fotos lindas.
    Apesar de ter gostado da receita, acho que lhe faltou qualquer coisa. Houve quem achasse que sabia demasiado a sardinha mas eu achei que lhe faltava sabor. Talvez precisasse de sal, não sei... Sugiro que experimentem e digam de vossa justiça ;)

    Hummus de Sardinha e Grão

    • 150 gr sardinha em lata (usei 2 latas da marca Continente, uma delas com piri-piri)
    • 150 gr grão cozido
    • 4 c. sopa sementes de sésamo
    • 1 c. sopa salsa picada
    • sumo de 1 limão pequeno
    • piri-piri a gosto (usei apenas um pouco do molho das sardinhas picantes mas acho que teria ficado melhor com um pouco mais de piri-piri ou tabasco)
    • sal (devo ter-me esquecido desta parte)
    • 2 ou 3 c. sopa azeite
    Com cuidado, retirar as escamas e espinhas dos filetes de sardinha.
    Triturar os filetes juntamente com o grão, a salsa, as sementes de sésamo, o sumo do limão, o piri-piri e o azeite.
    Provar e temperar com mais um pouco de sal, piri-piri ou sumo de limão se necessário. Se estiver muito empapado juntar um pouco de água tépida ou mais azeite.

    Servir com tostinhas ou pão caseiro.

    Bons petiscanços! ;)

      10 de outubro de 2010

      Pão de Alho

      Tirei esta receita da net para levar para uma festa de anos. Fi-la na máquina de fazer pão mas penso que ficará igualmente boa se for feita numa forma de pão ou bolo inglês e no forno.
      Fiquei contente com o resultado - até porque foi a primeira vez que fiz algo diferente na mfp - e pelo que percebi quem comeu também gostou :) Aprovada!

      Pão de Alho

      • 250 ml de água morna
      • 150 g de margarina Vaqueiro Alho
      • 2 dentes de alho picados
      • 3 colheres de sopa de salsa picada
      • 500 g de Farinha Pão Caseiro Naciona
      Colocar todos os ingredientes, por esta ordem, na cuba da máquina de fazer pão. Programar a máquina no programa Básico, peso 750 g e cor média.
      Quando o programa acabar, retirar o pão para cima de uma rede, para que este possa arejar e arrefecer.

      Bom apetite!

      4 de outubro de 2010

      Legumada com Cous-cous e Seitan

      "Legumada" é aquilo que eu chamo a uma mistura de legumes - uma espécie de ratatouile. Não tenho propriamente uma receita porque costumo fazê-la com os legumes que tiver no frigorífico mas não foge muito ao conjunto cebola-alho-tomate-cenoura-courgette onde às vezes adiciono alho francês, cogumelos ou beringela.
      A minha experiência com seitan, apesar de curta, permitiu-me concluir que o seitan absorve os sabores que lhe pusermos e sem um bom tempero não ficará saboroso. Também concluí que aprecio mais o seitan assim em pedaços do que em "bife", pois fica com uma textura mais agradável.
      O cous-cous é algo que uso bastante como acompanhamento para variar do típico arroz ou massa.
      Aqui servi cada parte em separado mas o cous-cous também fica muito bom se absorver o molho dos legumes.

      Legumada com Cous-cous e Seitan


      • seitan
      • cous-cous (Gosto do da Tipiak. Já experimentei outra marca e não gostei tanto.)
      • alho, cebola e tomate ou apenas molho de tomate
      • cenoura
      • courgette
      • alho francês
      • sal, pimenta e temperos a gosto
      Cous-cous
      Preparar o cous-cous como vem indicado na embalagem (1 medida de cous-cous para 2 de água e um pouco de manteiga). Reservar, mantendo quente.

      Seitan
      Numa frigideira ou wok fritar o seitan em azeite bem quente. Temperar com alho esmagado e molho de soja. Reservar, mantendo quente.

      Legumada
      Se não tiver o molho de tomate já feito, refogar numa frigideira a cebola e o alho em azeite. Juntar o tomate (sem pele nem grainhas) e cozinhar. O tempo aqui é variável, conforme o tempo disponível para fazer a receita ;) mas já se sabe, o molho de tomate quanto mais tempo cozinhar melhor fica.
      Adicionar o alho francês e a cenoura em rodelas finas, e a courgette em rodelas (se for grande cortar as rodelas em metades ou quartos). Temperar com sal, pimenta e temperos a gosto (um pouco de piri-piri fica bem).
      Cozinhar durante 5/10 min, conforme o gosto. Eu não gosto de deixar cozinhar muito tempo senão os legumes ficam desfeitos.

      Quer no seitam como nos legumes, no final pode-se adicionar um pouco de vinho branco para refrescar.

      Servir a legumada com o cous-cous e o seitan.

      Bom apetite! :)

      29 de setembro de 2010

      Espargos Verdes com Ovos Mexidos e Cogumelos

      No outro dia a minha grande amiga C. convidou-nos para jantar e para "couvert" fez ovos mexidos com espargos. A receita dela tinha os espargos misturados nos ovos e estava deliciosa.
      Eu nunca consegui fazer boas misturas nos ovos mexidos por isso não me aventurei e fiz tudo em separado. Não vou pôr aqui a receita dos ovos mas deixo uma dica - para além de sal e pimenta junto sempre um pouco de natas ou leite e alguns temperos conforme o apetite e o que tenho à mão (cebola, orégãos, ervas de provençe, tomilho, alecrim, ...).
      A forma convencional de cozinhar espargos é colocar o molho atado em pé num tacho estreito de forma a que a água apenas cubra a parte mais fibrosa dos ditos - os talos. Eu arranjei-me com o que tinha - uma panela do IKEA e um acessório para fritar que eu utilizo como acessório para cozer a vapor ;)

      Espargos Verdes com Ovos Mexidos e Cogumelos


      • 1 molho espargos verdes
      • ovos
      • cogumelos
      • alho
      • azeite
      • sal, pimenta e temperos a gosto
      • pão (para servir)
      Preparar os cogumelos:
      Cortar os cogumelos em lâminas e saltea-los em azeite e alho. Reservar, mantendo quente.

      Preparar os ovos:
      Fazer os ovos mexidos. Quando estiverem prontos, reserva-los perto do fogão para se irem mantendo quentes mas sem cozinharem demais.

      Preparar os espargos:
      Cortar os talos rijos dos espargos (apenas a ponta inferior mais rija). Coloca-los numa panela com água a ferver (apenas água suficiente para cobrir os talos e mais um pouco). Por cima colocar um utensilio para cozer a vapor e colocar aí as pontas dos espargos (como são mais tenras não precisam de cozer em água). Deixar cozer 5 min.
      Saltear as pontas dos espargos em azeite e servir com os ovos mexidos, os cogumelos e uma boa fatia de pão.
      Bom apetite! :)

      7 de setembro de 2010

      Tarte de Cebola e Sementes de Papoila

      Esta receita surgiu da necessidade de acabar com um pacote enorme de sementes de papoila que anda aqui pela despensa. E não, sementes de papoila não era o que o Fernando Pessoa fumava ;)

      Tarte de Cebola e Sementes de Papoila
      (baseada na receita retirada daqui)


      Para a massa:
      • 1 chávena de farinha (se for sem fermento acrescentar 1 ¼ colher de chá de fermento)
      • ½ colher de chá de sal
      • 3 colheres de sopa de manteiga fria (40 g)
      • 6 colheres de sopa de leite

      Para o recheio:
      • 2 cebolas médias
      • 2 colheres de azeite
      • 2 iogurtes naturais
      • 2 ovos
      • 2 c. de sobremesa de sementes de papoila
      • noz-moscada, sal e pimenta q.b.
      Cortar a cebola em rodelas finas em azeite em lume brando até ficar macia e translúcida. Temperar com sal, e pimenta. Retirar do calor e deixar arrefecer. 
       
      Para preparar a massa (se possível, utilizar a bimby ou uma máquina de amassar, mas à mão também fica bem): misturar todos os ingredientes, excepto o leite, até formar uma espécie de areia. Depois, acrescentar o leite e misturar até fazer uma bola.

      Colocar um pouco de farinha na tarteira. Forrar a tarteira com a massa, pressionando-a com as mãos.

      Bater bem os iogurtes com os ovos e temperar com noz-moscada. Colocar a cebola na tarteira e cobrir com esta mistura. Polvilhar com as sementes de papoila.

      Levar ao forno (pré-aquecido) a 200º durante 25 min.

      29 de agosto de 2010

      Casinha Velha


      Este restaurante em Marrazes (Leiria) vale de certeza uma visita mesmo que venha de longe. Coinicidência ou não, fica na mesma localidade que o famoso Tromba Rija. Localidade de bons petisqueiros é sempre bom sítio onde ir comer ;)
      É um restaurante pequeno, ideal para uma noite romântica em casalinho. Mas também é um restaurante onde se petisca bem e com variedade, por isso também é bom para ir com amigos. Dado ser um espaço pequeno, aconselho reserva.
      Na mesa encontramos logo um tabuleiro de queijos e enchidos do qual só pagamos o peso do que comermos. Logo aí fiquei fã! ;) Poder provar de tudo e só pagar o que comer... são cá dos meus!
      Depois tem uma variedade grande de entradas - da tradicional morcela de arroz aos cogumelos gratinados - e a um preço muito razoável.
      Os pratos já são de uma gama de preços superior (13/17€) mas a qualidade vale o preço. E 2 doses dão bem para 3 pessoas. Então se apostarem nas entradas até recomendo que dividam um prato para 2 pessoas...
      Têm 2/3 pratos fixos para cada dia da semana (ver menu no site) que rodam à volta do cabrito e bacalhau, mas têm também alguns outros (sempre grelhados de peixe ou carne) que podem ser escolhidos do menu. A aposta na qualidade e especialização em detrimento da variedade de oferta pareceu-me muito bem feita.
      Comi cabrito assado como nunca me lembro de provar - a carne desfazia-se e mesmo as partes  mais secas eram suculentas e deliciosas. Vinha acompanhado das migas tradicinais da zona (migas de broa de milho com couve), bróculos e arroz de míudos.
      Também pude provar da espetada de lombo (um dos grelhados que se podia pedir do menu) que estava igualmente deliciosa e vinha servida com batata doce assada o que, para além de delicioso, foi surpreendente.
      De sobremesas havia muita variedade, entre frutas e doces. Provámos o leite creme (queimado na hora, claro) e o gelado de baunilha, que eram OK. A minha preferida acabou por ser um sorvete de limão que vem na lista de sobremesas mas é servido num copo pequenino como "tira-gostos".

      Este local é mesmo ao meu gosto - tradicional, acolhedor e rústico mas com gosto, boa apresentação e
      qualidade. Sem súvida para voltar.

      Casinha Velha
      Rua Prof. Portelas nº23
      Marrazes
      2415- 534 Leiria
      Tel:  244 855 355

      19 de julho de 2010

      As Petisqueiras

      Quando iniciei este blog, fi-lo com o intuito de guardar as receitas que vou fazendo pois muitas vezes fazia algo que gostava e depois já não sabia de onde tinha tirado a receita.
      Ultimamente tenho reparado que também me tem acontecido ir a restaurantes que gosto muito e que saio de lá a pensar "tenho que cá voltar um dia" mas como sou uma vadia de petisquice não me consigo ir lembrando de todos por onde passo. Ou então que vou guardando referências de restaurantes que gostava de visitar mas que são tantas e espalhadas por tantos sítios que nunca encontro nada quando preciso.
      Por isso resolvi adicionar uma rubrica a este blog - as Petisqueiras. Quer sejam sítios por onde vou passando como aqueles restaurantes que vou ouvindo falar, vão ficando aqui registados. E assim, na próxima vez que der por mim a pensar "qual é que era aquele restaurante que me disseram q era mesmo bom não-sei-onde?" já sei onde vir procurar ;)

      Boas petisquices!

      3 de julho de 2010

      Tortilha

      Hoje voltamos aos pratos espanhóis.
      Uma das coisas que mais gostei de comer em Espanha foi tortilha. Já quando era miúda me lembro de comer tortilha feita pela minha avó cuja receita penso que se limitava à utilização de batatas e ovos. No entanto hoje em dia gosto mais da versão que inclui cebola.
      É um prato que pode custar fazer das primeiras vezes mas depois de se lhe apanhar o jeito não custa nada.

      Tortilha

      • 6 ovos
      • 1 cebola grande cortada em rodelas finas
      • 125 ml azeite
      • 600 gr batatas descascadas e cortadas em rodelas finas
      • sal e pimenta
      • salsa para decorar
      Aqueça o azeite numa frigideira. Baixe o lume e junte a batata e a cebola.
      Frite-as durante uns 15 min até que as batatas estejam tenras.
      Bata os ovos com o sal e a pimenta.
      Escorra a batata e a cebola para um recipiente, reservando o azeite.
      Juntar as batatas aos ovos e mexa com cuidado. Deixe repousar 10 min.
      Com uma colher de madeira raspe os pedaços que tenham ficado agarrados à frigideira.
      Volte a aquecer a frigideira em lume médio com 4 colheres do azeite reservado.
      Junte a mistura do ovo, distribuindo uniformemente as batatas e a cebola.
      Deixe a frigideira ao lume cerca de 5 min. Vá agitando para que o ovo cru escorra para o fundo da frigideira.
      Quando a base estiver solidificada, coloque um prato por cima da frigideira e volte-os ao mesmo tempo para que a tortilha caia sobre o prato.
      Coloque mais uma colher do azeite reservado na frigideira.
      Faça deslizar com cuidado a toritlha de volta para a frigideira e doure desse lado.
      Com a ajuda da colher de pau dê forma à tortilha empurrando-a dos lados.
      Quando estiver pronta, coloque a tortilha num prato e deixe repousar 5 min antes de a cortar.

      Servir decorada com salsa ainda quente ou à temperatura ambiente.

      Bom apetite! :)

        1 de julho de 2010

        Iogurte de Banana, Laranja e Bolacha

        Andava há que tempos para fazer esta receita. A única vez que tinha experimentado fazer iogurtes na Bimby fiquei um pouco decepcionada pois tentei fazê-los líquidos e não sairam grande coisa. Mas esta receita pareceu-me deliciosa e realmente... ficou.
        Retirada daqui.

        Iogurte de Banana, Laranja e Bolacha


        • 80 gr bolacha Maria
        • 200 gr de banana
        • sumo de 1/2 laranja
        • 80 gr de açucar
        • 1 litro de leite
        • 50 gr de leite em pó
        • 1 iogurte natural
        Comece por esterilizar os boiões de iogurte: coloque os boiões e as tampas na Varoma, deite água no copo e programe 12 min. temp. Varoma, vel. 2.
        Quando o tempo terminar coloque os boiões num tabuleiro e leve ao forno a cerca de 40º, enquanto prepara os iogurtes.
        Deite fora a água que ficou no copo. Para secar o copo coloque lá dentro um pano limpo e programe 3 seg, vel 2. Retire o pano.
        Coloque no copo a bolacha, programe 10 seg, vel. 9. Retire e reserve.
        Coloque no copo a banana, o açúcar e o sumo de laranja e triture 5 seg. vel. 5. Programe 8 min. temp. Varoma, vel.1.
        Retire o copo da máquina para arrefecer um pouco. De seguida junte 500 gr de leite, o leite em pó, a bolacha reservada e programe 1 min. vel. 7.
        Acrescente o resto do leite e o iogurte e programe 4 min. temp. 50º, vel 4.
        Terminado o tempo coloque a mistura nos boiões, feche-os com as tampas e volte a colocar no forno, cobrindo com um pano. Mantenha os boiões no forno morno (~40º) durante 8 horas.
        Coloque os iogurtes no frigorífico.

        24 de junho de 2010

        Arroz de Peixe

        Uma das receitas que mais faço é Massada de Peixe. Não sigo a receita a risco, costuma ser sempre a olho e dependendo dos ingredientes que tenho. A maioria das vezes nem uso camarão.
        No outro dia ia aproveitar que tinha molho de tomate já feito, um lombinho de pescada, um de salmão e uns camarões e resolvi dar uma reviravolta - usar arroz em vez de massa. Coloquei menos água para que em vez de uma sopa ficasse um arroz malandrinho e... ficou bem bom :) 
        Peço desculpa mas não sei quais foram as quantidades de arroz, água e molho de tomate que usei. Façam a gosto ;)
         

        Arroz de Peixe
        (2 pax)

        • 1 lombinho pescada
        • 1 lombinho salmão
        • 8 camarões 40/60 inteiros
        • 1 piri-piri
        • molho de tomate (cerca de 1/3 da quantidade de água)
        • arroz carolino
        • água (usar 3 doses de água para 1 de arroz)
        Aquecer água na panela onde vamos fazer o arroz. Enquanto a água aquece descascar os camarões crus e deitar as cascas e cabeças na água. Reservar o miolo.
        Lavar bem o arroz. Cortar os lombinhos em cubinhos (~3cm).
        Quando as cascas estiverem cozidas, coar a água. Deitar as cascas fora e voltar a colocar a água ao lume.
        Colocar o peixe e o miolo de camarão e cozinhar durante 5 min. Retirar o peixe e os camarões e reservar.
        Juntar o molho de tomate à agua da fervura. Quando a água ferver colocar o arroz, sal e a baga de piri-piri.
        Quando o arroz estiver cozido retirar o piri-piri, juntar o peixe e servir.

        Nota - Se tiver coentros pique-os e junte-os ao mesmo tempo que o peixe, mesmo antes de servir. Fica delicioso.

        Bom apetite! :)

        17 de junho de 2010

        Tarta de Queso

        "Tarta de Queso" foi a sobremesa favorita do M. quando estivémos em Espanha. Apesar de lhe chamarem "tarta" é um bolo de queijo. Não me parece que seja uma receita tradicional espanhola pois tenho um livro de culinária espanhola e não encontrei lá nenhuma referência. Encontrei-a na net aqui. Achei a receita muito simples de fazer e muito boa. Fiquei fã ;)


        Nota: A tarta deverá ficar um pouco mais alta do que aparece na foto. Como tive um pequeno precalço (a minha forma começou a escorrer massa por baixo...) a minha ficou mais baixinha do que é suposto.


        Tarta de Queso






        • 200 g queijo de barrar (1 embalagem de Philadelphia)
        • 3 ovos
        • 3 iogurtes naturais
        • 3 c. sopa farinha
        • 9 c. sopa açúcar amarelo
        Ligue o forno a 200º.
        Numa taça misture todos os ingredientes até que fique uma mistura homogénea e sem grumos.
        Unte uma tarteira com fundo amovível com manteiga e deite a mistura.
        Colocar no forno e baixar a temperatura para 170º. Ao fim de 20/25 min. verificar com um palito se já está cozido. Se o palito ainda sair molhado deixar mais uns minutos.
        Deixar arrefecer fora do forno e levar ao frigorífico.
        Servir bem fresco e, se desejar, com um pouco de compota de morango ou framboesa por cima.



        Bom apetite! :)

        11 de junho de 2010

        Bifes do Lombo com Assada de Legumes

        Esta não será propriamente uma receita típica espanhola, mas comemos algo do género num restaurante em Léon e gostei muito da idea - acompanhar um bom pedaço de carne com legumes assados. É fácil de fazer e, dependendo da quantidade de carne que comermos, bastante saudável.

        Bifes do Lombo com Assada de Legumes
        (2 pax)

        • 2 bifes do lombo de vaca
        • beringela
        • courgete
        • tomate
        • "setas" (Cogumelo "pleurothus" que se utiliza muito em espanha. Há a venda no Continente.)
        • 1 maçaroca de milho já cozido
        Aquecer o grelhador na temperatura adequada para grelhar legumes. Lavar bem todos os legumes e deixar escorrer. Colocar um pirex no forno a aquecer a 100º.
        Cortar a beringela (transversalmente) em rodelas estreitas (~1cm). Cortar a courgette (longitudinalmente) em tiras estreitas (~1cm). Cortar o tomate (longitudinalmente) em tiras estreitas (~1cm). Cortar a maçaroca de milho e 4 pedaços.
        Regar todos os legumes (incluindo as 'setas') com azeite e temperar com sal e tomilho. Colocar os legumes no grelhador com o lado com o azeite para baixo. Regar também com azeite e temperar com sal e tomilho o lado que ficou para cima.
        Grelhar os legumes igualmente de ambos os lados. Quando estiverem prontos coloca-los no pirex que esteve a aquecer no forno e reserva-los dentro do forno quente enquanto se fazem os bifes.
        Aquecer o grelhador em temperatura alta (para grelhar carne). Quando estiver quente deitar sal sobre os bifes e coloca-los com o lado salgado para baixo. Temperar o outro lado também.
        Quando os bifes estiverem prontos, servi-los com os legumes.

        Bons assados! :)

        29 de maio de 2010

        Patatas Bravas

        Esta foi uma das tapas que mais gostei de comer em Espanha. Claro que em grande parte devido à "molhanga" que vinha por cima. Tenho por hábito adorar tudo o que tenha molho...
        A receita das patatas bravas varia muito conforme a zona de Espanha onde são servidas, mas parece-me que a receita base será: batatas cortadas em forma irregular, fritas e servidas com molho picante por cima.

        A receita abaixo foi inventada por mim e seria como eu as faria em casa se não tivesse muito tempo. No entanto encontram-se na net receitas mais tradicionais que também experimentarei um dia.

        Patatas Bravas (Batatas Bravas)


        • batatas
        • maionese
        • tabasco
        • sal
        Descascar as batatas e cortá-las em pedaços médios irregulares (3 a 5 cm).
        Fritar as batatas em azeite abundante.
        Servir com maionese e tabasco por cima.


        [Update 4/6/2010] Ontem experimentei esta receita e ficou de lamber os dedos ;) Fritei as batatas e pus maionese e tabasco por cima e.... hum! A acompanhar com uma cervejinha ficou demais.

        23 de maio de 2010

        Churros com Chocolate Quente

        Ao que parece, churros com chocolate quente são um típico pequeno almoço espanhol. Só pensar que alguém pode comer isto todos os dias ao pequeno almoço faz-me subir o colesterol aos píncaros. Aliás, grande parte da comida tradicional espanhola é muito pouco saudável. No entanto, tal como nós em Portugal não comemos cozido à portuguesa todos os dias, eles lá também devem comer de forma diferente no dia-a-dia. Suponho eu.
        Estes comi-os ao lanche num El Corte Inglés, pelo que devem encontrá-los parecidos nos ECI em Portugal. Também cheguei a comê-los ao pequeno almoço nalguns hotéis e eram bastante iguais. O doce do chocolate contrasta bem com o crocante ligeiramente salgado dos churros. Muy bueno :)

        As receitas que deixo aqui foram retiradas de um site e confesso que não as experimentei. Por isso quem um dia tentar, é favor deixar aqui um comentário a contar como correu ;)

        Churros com Chocolate Quente


        Churros
        • 1 chávena farinha
        • 1/2 cháv leite
        • 1/2 cháv água
        • 1 clara de ovo
        • 1 pitada de sal
        • azeite abundante (para fritar)
        • açúcar para polvilhar (opcional)

        Aquecer a água com o leite e ao ferver adicionar a farinha mexendo com vigor para que não forme grumos nem se agarre ao tacho.
        Retirar do lume e juntar a clara de ovo, mexendo até estar bem misturado.
        Deixar repousar durante alguns minutos. Entretanto pôr o azeite a aquecer numa fritadeira ou frigideira funda.
        Colocar a massa numa manga de pasteleiro e ir fritando os churros do tamanho desejado.
        Servir com o chocolate quente.

        Nota: Nalgumas zonas de Espanha polvilham os churros com açúcar em pó antes de servir.

        Chocolate Quente
        • 1 l leite
        • 200 gr chocolate culinária
        • 25 gr manteiga
        • 1 casca de limão
        • 1 pau de canela
        • 1 baga de piri-piri
        • natas batidas (opcional)
        Ralar o chocolate para uma taça grande e adicionar a baga de piri-piri.
        Aquecer o leite com um pouco de casca de limão e o pau de canela. Quando ferver retirar do lume e tirar a casca de limão e o pau de canela.
        Verter o leite sobre o chocolate ralado e ir mexendo com uma colher de pau (ou de plástico, desde que não seja de metal). Quando o chocolate estiver dissolvido retirar o piri-piri e voltar a pôr ao lume sem parar de mexer e evitando que volte a ferver. Ir mantendo assim até atingir a espessura desejada (pode-se adicionar farinha maizena para tornar este processo mais rápido, mas desta forma o chocolate fica melhor).
        Por fim, retirar do lume e adicionar a manteiga, mexendo até que esta se dissolva.
        O chocolate pode ser servido em chávenas assim ou com natas batidas por cima.

        Nota: Esta receita pareceu-me bastante mais complexa do que outras que encontrei na net, pois as outras não levam a casca de limão, a canela ou o piri-piri. Mas esta deve ser bem mais saborosa :)

        24 de abril de 2010

        Pausa para celebrações

        Tinha escrito o post abaixo para ser publicado automaticamente no final de Abril mas houve aqui qualquer coisa que correu mal porque só agora reparei que não chegou a ser colocado no blog...


        "No próximo dia 1 de Maio vou celebrar uma nova etapa da minha vida :)
        Como agora ando em preparações e nas 2 semanas seguintes vou estar em modo férias, o blog vai estar parado durante esse tempo.
        Assim, as receitas regressarão lá para o final de Maio.


        Até lá! :)"

        Agora que estou de volta voltam as receitas. Mas durante as próximas semanas vou fazer algo diferente - como voltei agora de uma viagem a Espanha onde dediquei grande parte do meu tempo a descobrir a cultura gastronómica de lá :D, em vez de colocar receitas feitas por mim vou colocar receitas dos pratos que mais gostei ou que achei mais curiosos. Espero que gostem tanto como eu gostei!

        18 de abril de 2010

        Bife de Atum com Cebola e Azeitonas Pretas

        Bife de Atum com Cebola e Azeitonas Pretas

        • bifes de atum fresco (1 por pessoa)
        • cebola
        • azeitonas pretas em rodelas
        • fatias de pão (1 por pessoa)
        Refogar a cebola em azeite. Quando estiver mole, colocar os bifes de atum. Cozinhar os apenas durante alguns minutos de cada lado porque senão ficam muito secos. Se ficarem um pouco crus por dentro também ficam saborosos.
        Servir sobre a fatia de pão e acompanhar com bróculos cozidos ao vapor.

        10 de abril de 2010

        Cheesecake da Mãe Teresa

        Esta é para mim a melhor receita de cheesecake de sempre. Foi-me dada por um colega meu e é a receita que a mãe dele faz. Como não sabia o nome da senhora, ao longo destes anos tenho-lhe chamado "cheesecake da mãe do Chico" :D Entretanto fiquei a saber que se chama Teresa, pelo que acho que a receita mereceu uma mudança de nome.

        Cheesecake da Mãe Teresa


        Base:
        • 200 g bolacha maria
        • 150 g manteiga
        • 80 g avelãs raladas
        Derreter a manteiga, moer a bolacha (no 1 2 3) e as avelãs (também no 1 2 3).
        Juntar tudo e forrar uma tarteira (28 cm) com a mistura, prensando bem com a mão.

        Recheio: 
        • 400 g de queijo Philadelphia (pode ser do normal ou do light);
        • 7 colheres de sopa de açúcar;
        • 4 folhas de gelatina branca;
        • 2 dl de natas (1 pacote).
        Deixar o queijo de um dia para o outro fora do frigorífico (eu muitas vezes não faço isto e fica bom na mesma).

        Bate-se o queijo com o açúcar, até ficar homogéneo. Juntam-se as natas e as 4 folhas de gelatina previamente cortadas aos bocadinhos e dissolvidas num pouco de leite (a gelatina dissolve melhor se for colocada no leite frio e só depois se for aquecendo).

        Pôr o recheio sobre a base e levar ao frigorífico durante umas horas (Normalmente faço à noite e no dia seguinte está bom. Também se pode fazer de manhã para a hora do jantar. Colocar no congelador não resulta, eu já tentei ... ;) ).

        Antes de servir cobrir com uma compota a gosto (framboesa, morango, etc..). Eu prefiro a de morango, mas qualquer uma fica boa. Quanto menos doce for a compota, melhor.

        Bom apetite!

        E obrigada à Mãe Teresa pela partilha :)

        24 de março de 2010

        Linguadinhos Fritos com Açorda

        Esta foi uma receita que fiz para aproveitar restos de pão duro que tinha a encher o congelador. Foi bastante fácil de fazer porque os linguadinhos foram fritos enquanto a açorda estava a fazer na bimby. Usei dos linguadinhos congelados do continente mas achei-os um pouco sensaborões e moles. Para a próxima compro-os fresquinhos e até pode ser que tragam ovas :)

        Linguadinhos Fritos com Açorda

        • linguadinhos
        • farinha
        • pão duro
        • alho
        • coentros
        Cortar o pão em pedaços pequenos (vel 5, 20/30 seg) e reservar. Picar 2 dentes de alho e coentros. Juntar azeite e refogar 3 min, temp 100º, vel 1. Juntar o pão e ir adicionando água a olho. Cozinhar 10/15 min, temp 70º, vel 2.
        Passar os linguadinhos descongelados por água e secá-los bem com papel de cozinha. Temperar com sal e passar por farinha. Fritar numa frigideira com óleo abundante.

        Confesso que a receita da açorda pode não sair muito bem. Eu fiz a olho e no final ficou um pouco tipo pastilha elástica mas prometo que vou tentar apurar a receita ;)

        16 de março de 2010

        Cogumelos Recheados

        Gosto muito de cogumelos. Não tenho nada contra os de lata mas não se comparam com os frescos. E para além disso temos o cogumelo branco português (os que se costumam ver frescos no supermercado são dessa qualidade) e que é delicioso.
        Fiz esta receita que vinha no livro base da bimby (mas que também se faz bem sem bimby) como refeição onde os acompanhei com raviolis cozidos e umas rodelas de tomate fresco mas também servem como petisco.

        Cogumelos Recheados
        (receita baseada na receita "Chapéus de Cogumelos" do livro base da bimby)

        • cogumelos frescos inteiros
        • pão ralado com alho (ou coentros) e salsa
        • paio fumado (ou presunto)
        Tritura-se o paio, vel. 3-5-9. Reservar.
        Pôr 1 litro de água no copo da bimby e programar 10 min, 100º, vel. 2.
        Lavar os cogumelos. Retirar os pés (eu juntei-os depois a uma sopa) e usar apenas os chapéus.
        Na bandeja da varoma colocar os cogumelos. Em cada orifício colocar um pouco do paio picado e cobrir com o pão ralado. Tapar a varoma e colocar sobre a tampa da bimby. Cozinhar durante 20 min, temp. Varoma, vel. 1.

        Se não tiver bimby coloque os cogumelos num pirex coberto com papel de alumínio e leve ao forno.

        Bom apetite!

        10 de março de 2010

        Sopa de Grão com Bacalhau

        Aqui fica mais uma receita que aprendi na sessão de Live Cooking. A foto mostra o aspecto do prato antes de se juntar a sopa.

        Sopa de Grão com Bacalhau
        (receita do Chef Vítor Sobral)
        • grão de bico
        • alho francês
        • cebola
        • caldo de bacalhau
        • lascas de bacalhau cozido
        • gema de ovo (1 por pessoa)
        • courgette
        • cebolinho
        Numa tigela grande com água quente (~60ºC) colocar as gemas de ovo, uma de cada vez. Deixa-las lá até o resto da sopa estar pronta (~20 min). Isto fará com que escalfem mas fiquem com o interior líquido. 
        Preparar a base da sopa cozendo o grão, alho francês e cebola no caldo do bacalhau. Triturar e reservar.
        Ralar a courgette em tiras finas e picar o cebolinho.
        Em cada tigela colocar algumas lascas de bacalhau, uma gema, um pouco de courgette e cebolinho. Cobrir com a sopa de grão e servir.

        6 de março de 2010

        Bacalhau - Dicas, Bacalhau Cozido e Bacalhau com Broa

        Há uns dias fui a uma sessão de Live Cooking, com o Chef Vítor Sobral, só sobre bacalhau. Eu nem sou fã de bacalhau mas precisamente devido à minha falta de experiência em cozinhar tal prato foi uma experiência muito educativa. Eis o que aprendi:

        Cor - Ao contrário do que muitas pessoas pensam ao compra bacalhau, o melhor é o mais amarelo e não o branquinho. O bacalhau de cor mais amarela é o que foi salgado logo em alto mar, imediatamente após ter sido pescado. O bacalhau mais branco é o que foi congelado em alto mar e ao chegar a terra é descongelado e só então salgado.

        Proveniência - Segundo o Chef Vítor Sobral, o melhor será o da Noruega. Ele próprio diz que apenas chegou a esta conclusão quando visitou a Noruega e viu as condições de produção do bacalhau. Eu pessoalmente não tenho opinião formada, por isso transmito a dele.

        Demolhar - O bacalhau deve ser demolhado sempre em água fria (< 5ºC). Se for demolhado acima dessa temperatura o bacalhau tende a fermentar. Por isso deverá ser sempre demolhado no frigorífico.

        Tamanho - As postas de bacalhau deverão ter um tamanho uniforme, para que cozinhem por igual. Por isso, as partes junto ao rabo e às asas devem ser separadas e usadas em pratos combacalhau desfiado (como pastéis de bacalhau) e os lombinhos são então usados para cozer. 

        Cozer - A forma ideal de cozer bacalhau é no forno. Ao contrário do que seria de pensar, o bacalhau cozido na panela com água perde humidade e fica mais seco. Já se for cozido no forno, onde cozinha apenas na sua própria humidade, fica mais suculento e a desfazer-se naquelas lascas que tanto apreciamos (ver receita abaixo). E realmente no curso experimentámos o bacalhau cozido no forno e fica espectacular.

        Bacalhau cozido 
        (receita do Chef Vitor Sobral)
        • lombinhos de bacalhau
        • azeite
        Aquecer o forno a 150º. Untar o fundo de um tabuleiro de ir ao forno com azeite. Colocar os lombinhos de bacalhau com a pele voltada para cima. Tapar bem o tabuleiro com papel de alumínio. Colocar o tabuleiro no forno já quente e cozinhar durante 25 min.

        Esta é então a receita base do bacalhau cozido que poderá ser "enfeitada" a gosto. Aqui fica uma versão de bacalhau com broa.

        Bacalhau com Broa
        (receita do Chef Vitor Sobral)
        • lombinhos de bacalhau
        • azeitonas verdes picadas
        • tomate seco picado
        • alho picado
        • alecrim fresco
        • broa
        • cebola
        • folhas de espinafre
        • caldo de bacalhau
        Cozer o bacalhau como indica a receita anterior mas antes de levar ao forno salpicar com as azeitonas, tomate, alho e alecrim.
        Num tacho de fundo pesado refogar em azeite a cebola cortada em pedaços médios. Quando alourar juntar a broa desfeita. Ir adicionando caldo de bacalhau (que sobra da cozedura) o sufiente apenas para que a broa não pegue. Mesmo no final juntar as folhas de espinafre. Servir como acompanhamento do bacalhau.

        PS - Muito obrigada à minha prima V. que ganhou esta sessão de culinária mas como não pôde ir ofereceu-me o lugar :) Estas coisas já são giras mas quando são de borla ainda sabem melhor ;)

        24 de fevereiro de 2010

        Iogurte

        Ter uma Bimby tem as suas vantagens. Posso fazer o meu próprio iogurte sem ter que ter uma daquelas maquinetas especiais e posso juntar-lhe o açúcar e a fruta que quiser. Sempre achei que os iogurtes têm açúcar a mais. Até aqueles iogurtes biológicos deliciosos da Agros têm açúcar adicionado...
        Então resolvi fazer o meu iogurte. Juntei 1 litro de leite e um iogurte natural e fiquei com isto:


        Depois, em vez do açúcar, juntei uma boa compota caseira e ficou... delicioso :)



        Claro que estes iogurtes têm a desvantagem de não durarem tanto tempo como os de compra mas ao menos sabemos o que levam. Aqui fica a receita para a bimby:

        Iogurte Natural
        • 1 litro leite
        • 1 iogurte natural (ou com aroma a gosto)
        Com o copo limpo, coloque todos os ingredientes e programe 4 min/50°C/vel 4.
        Terminado o tempo, deite o iogurte em frascos bem lavados e escaldados, abafe muito bem durante 8-12 horas (basta deixar durante a noite).
        Após este tempo, guarde-os no frigorífico, de preferência em frascos de vidro previamente esterilizados.

          17 de fevereiro de 2010

          Bacalhau com Broa

          Não sou fã de bacalhau mas sou fã de bom bacalhau. E esta receita ficou bem boa :)

          Bacalhau com Grão e Broa
          (receita retirada da revista bimby nº12)

          • 100 gr broa de milho
          • 200 gr cebola
          • 3 dentes de alho
          • 70 gr azeite
          • 400 gr bacalhau demolhado e desfiado
          • 1 lata grão de bico
          • 400 gr grelos descongelados e escorridos (usei espinafres)
          Coloque no copo a broa e triture 10 seg/vel 4. Retire e reserve.
          Deite no copo a cebola, 2 dentes de alho, 40 gr de azeite e pique 5 seg/vel 5. Refogue durante 5 min/temperatura Varoma/vel 1.
          Junte o bacalhau e programe 5 min/Varoma/colher inversa/vel colher.
          Num pirex espalhe o grão, deite o bacalhau por cima e reserve.
          Coloque no copo o restante alho, 30 gr azeite e pique 4 seg/vel 5. De seguida refogue 3 min/Varoma/vel 1.
          Aqueça o forno a 200ºC.
          Incorpore os grelos, o sal e programe 5 min/Varoma/vel 1.
          Espalhe os grelos por cima do bacalhau e polvilhe com a broa. Regue com um fio de azeite e leve ao forno a alourar (cerca de 10 min).

          Esta receita fica mesmo muito boa :)
          Bom apetite!

          10 de fevereiro de 2010

          Choquinhos em Molho de Tomate ao Piri-Piri

          Um destes dias ao jantar resolvi experimentar esta receita. Os chocos estavam congelados mas coloquei-os em água enquanto tratava do resto e até ficou bom. Como não tinham tinta, e não dava para fazer o arroz negro, fiz arroz branco e ficou bom na mesma ;)

          Choquinhos em Molho de Tomate ao Piri-Piri


          • 600 gr choquinhos (usei 1 embalagem de choquinhos congelados da marca continente)
          • 2 dentes alho
          • 2 piri-piris
          • 450 gr polpa tomate (usei 1 lata pequena + 3 tomates frescos)
          • salsa picada
          • sal
          • azeite
          Aquecer o azeite numa frigideira funda e fritar o alho bem picadinho e os piri-piris até o alho ganhar cor. Adicionar os chocos bem escorridos e cozinhar por uns minutos. Adicionar o tomate e o sal e cozinhar por 15/20 min (quanto mais pequenos forem os chocos menos tempo deverão cozinhar para não ficarem rijos). Misturar a salsa picada e servir com arroz branco.

          Bom apetite!

          6 de fevereiro de 2010

          Muffins "Pintarolados" de Chocolate

          O original desta receita vinha na revista da Bimby deste mês e chamava-se "Scones com Passas". Como não tinha passas, triturei chocolate. Como passei o dia a chamar-lhes "muffins" e só quando vim passar a receita percebi que se chamavam scones, ficaram "muffins" ;)

          Muffins "Pintarolados" de Chocolate

          • 150g leite
          • 150g açúcar
          • 100g manteiga à temperatura ambiente
          • 300g farinha para bolos (usei Branca de Neve Superfina)
          • 1 ovo
          • 1 gema
          • 100g chocolate triturado
          • 1 pitada de sal
          Aqueça o forno a 180ºC.
          Coloque no copo o leite, o açúcar e a manteiga e envolva 5 seg/vel 4.
          Adicione os restantes ingredientes e misture 10 seg/vel 4.
          Deite a massa em forminhas de papel colocadas dentro de formas de queques.
          Levar ao forno cerca de 20/25 minutos.

          Nota: Se não usar as formas de papel unte e polvilhe as formas antes de deitar o preparado.

            27 de janeiro de 2010

            Caril de Lentilhas e Batatas

            Sou uma fã incondicional de leguminosas, seja feijão, grão, lentilhas, favas... adoro-as a todas. Infelizmente parecem estar a desaparecer da nossa dieta diária apesar de serem um alimento muito saudável.
            Aqui fica uma receita que junta lentilhas a caril, outro dos meus ingredientes favoritos. A receita foi totalmente retirada deste blog.

             Caril de Lentilhas e Batatas



            • 1 cebola
            • 1 dente de alho
            • azeite
            • 1 chávena (180g) de lentilhas verdes (deixei de molho apenas durante o tempo que estive a preparar o resto dos ingredientes, cerca de 20 min)
            • 200ml de água 
            • 400ml de leite de coco
            • 1 colher sopa de caril em pó
            • 2 batatas 
            • Sal e pimenta
            com Bimby:
            Coloque a cebola e o alho no copo e pique 5 seg, vel 5. Junte o azeite e cozinhe 5 min, temp 100º, vel 1. Deite as lentilhas, o leite de coco, a água e o caril e cozinhe 20 min, temp 100º, vel colher inversa, com o copinho inclinado na tampa. Descasque as batatas, corte-as em cubos e adicione-as: 20 min, temp 100º, vel colher inversa. Tempere com sal apenas nos últimos 5 min, quando as lentilhas já estiverem cozinhadas.

            no fogão:
            Pique a cebola e o alho e refogue-os levemente em azeite até que a cebola amoleça. Junte as lentilhas, o leite de coco, a água e o caril e deixe o lume alto até ferver. Reduza para lume médio-baixo, tape parcialmente e cozinhe por uns 20 minutos, até que as lentilhas absorvam uma parte da água. Mexa de vez em quando.
            Adicione as batatas cortadas em cubos e tape completamente, cozinhando mais 10 minutos. Mexa e rectifique o caldo nessa altura, acrescentando mais água se necessário.
            Tempere com sal e pimenta e cozinhe mais 10 minutos, até que as lentilhas comecem a quebrar.

            Em ambos os casos, deixe descansar uns minutos e sirva com arroz branco.

            Nota - Em qualquer prato de leguminosas para que estas cozinhem bem o sal só deve ser colocado no final.

            20 de janeiro de 2010

            Tarte de Espinafres com molho de Tomate

            Um destes fins-de-semana tive convidados para o lanche. Como me atarefei a fazer guloseimas fiquei sem muito tempo para tratar do almoço. Então resolvi usar alguns espinafres que tinha congelados e uns pedaços de queijo que vinham a sobrar no frigorífico para fazer esta tarte que não deu trabalho nenhum e ficou feita num instante. E como ainda sobrou bastante, cortei o resto aos bocados e servi também ao lanche. Se não tivesse tirado foto antes não sobrava nada para ilustrar esta receita ;)
            (Receita baseada na receita disponível em http://www.mundodereceitasbimby.com.pt/receitas/1704/tarte-de-espinafres.html)

            Tarte de Espinafres com Molho de Tomate

            • 70 g queijo parmigiano
            • 80 g queijo flamengo
            • 2 queijos frescos pequenos
            • 400 g espinafres
            • 40 g manteiga
            • 4 ovos
            • 150 g farinha
            • 1 c. chá fermento
            • 1 c. chá sal
            • 1 c. chá pimentão doce
            • 1 pitada pimenta
            • 2 pitadas noz moscada
            1. Pré-aqueça o forno a 180ºC.
            2. Coloque no copo o queijo parmesão em pedaços e rale 10 seg/vel 5. Retire e reserve. Faça o mesmo com o queijo flamengo.
            3. Deite no copo as folhas de espinafres e programe 8 seg/vel 5. Retire e reserve.
            4. Coloque no copo a manteiga, os ovos e programe 30 seg/vel 4.
            5. Adicione a farinha, o fermento, o queijo flamengo, o queijo fresco, os temperos, os espinafres e programe 30 seg/vel 3.
            6. Deite o preparado numa forma redonda de abrir (26cm) ou numa forma com fundo amovível previamente untada.
            7. Polvilhe com o queijo parmesão e leve ao forno cerca de 45 minutos.
            Acompanhe com molho de tomate receita livro Bimby base ou com o molho de tomate do post anterior ;)

            Bom apetite!

            13 de janeiro de 2010

            Molho de Tomate

            Recentemente apercebi-me que faço muitas receitas com molho de tomate. Por isso cheguei à conclusão que vale a pena fazer bastante molho de cada vez e guardar o resto no frigorífico ou congelar. Para além disso, como o molho fica melhor se for feito em lume brando durante bastante tempo, junta-se a poupança de tempo à melhoria de sabor.
            Eu costumo usar tomate em lata pois o tomate fresco que encontro à venda é muito verde e pouco saboroso. Para quem tenha espaço no congelador aconselho a que compre bastante tomate no Verão, que é quando ele é colhido mais maduro, e o congele para usar nestas alturas pois se for usado em cozinhados fica bom como o fresco.

            Aqui fica a receita com as indicações para a Bimby e para a frigideira:

            Molho de Tomate
            • 400gr tomate pelado (eu costumo usar 1 lata pequena do continente)
            • 1 cebola grande
            • 1 cenoura média
            • 40 gr azeite (cerca de 2 c. sopa)
            • 1 folha de louro (costumo retirar o veio da folha)
            com Bimby:
            Colocar no copo a cenoura e dar uns toques de turbo. Adicionar a cebola e o alho e picar 10 seg vel. 5.
            Juntar o tomate e picar 15 seg, vel. 7. Raspar o que tenha saltado para as paredes do copo, adicionar o azeite e o louro e cozinhar 20 min, temp. 100º, vel 2.

            sem Bimby:
            Picar o alho, a cebola e o tomate e ralar a cenoura bem fininha. Adicionar o azeite e o louro e levar a lume médio numa frigideira durante 20 min mexendo regularmente.

            Em qualquer dos casos, se gostar do tomate menos ácido deixar cozinhar por mais 10 min.

            Boas tomatadas! :)

            7 de janeiro de 2010

            Pudim Molotov

            Tinha um monte de claras a sobrar no frigorífico e andei à procura de receitas para as aproveitar. Queria ter feito farófias (que são tão boas e eu nunca fiz...) mas iam sobrar claras na mesma porque a receita das farófias usa os ovos inteiros. Então lembrei-me do Molotov, que é algo que também nunca tinha feito. Sabiam que este pudim se chamava originalmente "pudim Malakof" em homenagem a um forte que protegia a cidade de Sebastopol durante a guerra da Crimeia mas que mais tarde o seu nome acabou por se confundir com o de Vyacheslav Mikhailovich 'Molotov', um político soviético cujo nome também deu origem ao cocktail molotov? As coisas que se aprendem...

            Pudim Molotov


            • 8 claras
            • 8 c. sopa açúcar
            • caramelo q.b.
            Pré-aquecer o forno a 180º.
            Bater as claras em castelo, adicionando o açúcar enquanto se bate. Para que as claras fiquem bem montadas costumo juntar uma pitada de sal e umas gotas de limão antes de começar a bater.
            Quando as claras estiverem em castelo juntar caramelo a gosto (eu coloquei cerca de 2 c. sopa mas acho que podia ter posto mais) e misturar bem.
            Untar uma forma de buraco com bastante caramelo. Colocar as claras e levar ao forno durante 8 min. Após esse tempo desligar o forno e deixar repousar durante 30 min (a forma fica um total de 38 min no forno). Assim que retirar do forno desenformar o pudim.

            Atenção que a utilização correcta do forno é crítica nesta receita. A porta do forno não deve nunca ser aberta senão ao colocar e ao retirar a forma senão as claras abatem. O forno deve estar já a 180º quando se coloca a forma e deve ser desligado exactamente 8 min depois. A forma só deve ser retirada 30 min depois de se desligar o forno senão a diferença de temperatura faz abater as claras.

            Bons aproveitamentos! :)